Purê de Inhame e Beterraba

Purê de Inhame e Beterraba

A pedidos, eis a receita do purê de inhame e beterraba! Receita simples, gostosa e nutritiva! Rica basicamente em Vitaminas, Minerais, Fibras, Carboidratos e Antioxidantes

Rendimento: 2 porções grandes

Ingredientes:

  • 1 beterraba
  • 1 inhame
  • 1/2 cebola picadinha
  • 1/2 dente de alho picado
  • 1/2  xícara (chá) de salsinha
  • 1 pitada de sal a gosto

Preparo:

  1. Cozinhe a beterraba e o inhame. A consistência deve ficar bem molinha para bater mais facilmente.
  2.  Numa panela, com 1 fio de azeirte extra-virgem, dure o alho e a cebola. Em seguida acrescente os legumes cozidos (o inhame e a beterraba) e misture bem. ]
  3. Adicione a salsinha e outros temperos naturais
  4. Bata tudo no processador ou liquidificador, até obter consistência de purê.

Prontinho! Bom apetite! 🙂

Mas o que e que tem esse tal de Gengibre?

Mas o que e que tem esse tal de Gengibre?

O gengibre é uma raiz com inúmeros benefícios, usada tradicionalmente por muitas culturas graças às suas propriedades curativas. O gingerol é uma das substâncias ativas presentes no gengibre com várias ações benéficas ao organismo: antioxidante, antifúngico, anti-inflamatório, analgésico, antipirético, inibe a agregação das plaquetas evitando o aparecimento de trombos, ação cardiotônica, efeito protetor de células nervosas contra doenças degenerativas e atividade protetora contra câncer. O gingerol também é conhecido por sua ação termogênica, auxiliando na perda de peso para quem procura emagrecer.

Nutricionalmente falando, o gengibre possui baixo valor calórico, é rico em vitaminas (C, folato, B6); minerais (magnésio, potássio, cobre, fósforo); antioxidantes, um pouquinho de proteínas, carboidratos, água e fibras.

Alguns dos benefícios á saúde:

  • Anti-inflamatório e analgésico natural, recomendado no tratamento de cólicas, doenças inflamatórias como a artrite, artrose, fibromialgia ou a fadiga crônica.
  • Digestivo: ajuda a tratar más digestões, gases, gastrite, úlceras gástricas, diarreia, etc. Funciona também como protetor estomacal ante o consumo de álcool e medicamentos.
  • Infecções de garganta: ajuda a tratar infecções e inflamações de garganta, é muito útil em casos de rouquidão e para cantores profissionais.
  • Náuseas e vômitos: especialmente recomendado nos primeiros meses de gravidez, pois não causa efeitos secundários nem ao feto nem a mãe. Também é um suplemento ideal durante a quimioterapia no tratamento de câncer.
  • Ajuda a prevenir enjoos de forma geral.
  • Efeito Termogênico: Acelera o metabolismo, o que é muito útil para quem quer emagrecer. Tem a capacidade de gerar calor. Mas cuidado, não pode exagerar! Hipertensos e gestantes devem ter cautela.
  • Aumenta a libido: é um afrodisíaco natural. Sobretudo, muito usado na menopausa, andropausa e disfunções sexuais
  • Previne as doenças cardiovasculares e melhora a circulação sanguínea. Obs. Contra-indicado em casos de pacientes em uso de anti-coagulantes.

Como consumir o gengibre?

  • Raiz crua: podemos ralar a raiz e incluir em receitas de todo o tipo.
  • Em pó: para realizar um tratamento recomendamos tomar o gengibre em pó para poder controlar a dose. Não supere a dose de 2 g ao dia e consulte sempre com um profissional.
  • Desidratado: o gengibre desidratado é fácil de ser encontrado hoje em dia em lojas de produtos naturais. Devemos lembrar que o preparado contém um alto conteúdo de açúcar.
  • Em infusão: um chá quente de gengibre é ideal para pessoas que sentem muito frio.
    Suco fresco: o suco fresco de gengibre, sem abusos, nos permite dar um toque original e medicinal a sucos de maçã, abacaxi, cenoura etc.
  • Óleo essencial: podemos usar o óleo essencial de gengibre para massagens, por exemplo, nos pés frios. Misture com creme hidratante habitual e massageie bem os pés. Em pouco tempo você notará o grande calor desprendido.

ATENÇÃO!
É necessário ressaltar que deve-se tomar cuidado com o consumo excessivo de gengibre. Alguns estudos mostraram que a alta ingestão pode provocar efeitos adversos, como aborto em mulheres (principalmente no início da gestação), aumento do fluxo sanguíneo nas mulheres em período menstrual, surgimento de quadros de úlceras, azias e gastrite, aumento de cálculos renais e prejuízos nos receptores do hormônio sexual masculino (testosterona) nas células do organismo do bebê durante a gestação, afetando a diferenciação sexual biológica da criança. Portanto procure um profissional nutricionista para uma orientação adequada para cada caso específico.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Grant KL, Lutz RB. Ginger. Am J Health-Syst Pharm 2000; 57: 945-47.
Wei QY, Ma JP, Cai YJ. Cytotoxic and apoptotic activities of diarylheptanoids and gingerol-related compounds from the rhizome of Chinese ginger. Journal of Ethnopharmacology 2005; 102: 177-84.
Young HY, Luo YL, Cheng HY. Analgesic and anti-inflammatory activities of [6]-gingerol. Journal of Ethnopharmacology 2005; 96: 207-10.
Smith C, Crowther C, Willson K. A randomized controlled trial of ginger to treat nausea and vomiting in pregnancy. Obstet Gynecol 2004; 103: 639-45.

Cookie Funcional De Chocolate Amargo

Cookie Funcional De Chocolate Amargo

Ingredientes:

  • 1 xícara de farinha de arroz (120g);
  • 1/3 xícara de farinha de coco (70g);
  • 1 ovo;
  • 1/3 xícara de açúcar de coco (30g);
  • 1/3 xícara de açúcar mascavo ou demerara (45g);
  • 1/2 colher de café de bicarbonato de sódio;
  • 80g de manteiga ghee ou óleo de coco extra-virgem ou pasta de amendoim ;
  • 1 colher de café de essência de baunilha (opcional);
  • 100g de chocolate 85% cacau picado;

Preparo:

  • Em um bowl colocar as farinhas, o fermento e o bicarbonato. Misturar tudo com uma colher e reservar.
  • Na tigela da batedeira, coloque a manteiga ghee derretida, ovo, essência de baunilha e os açúcares.
  • Bater até obter uma mistura homogênea. Sem parar de bater, vá adicionando a mistura de farinha aos poucos.
  • Desligue a batedeira e adicione o chocolate picado, e misture com uma colher.
  • Cubra a mistura e leve à geladeira por cerca de 30 minutos.
  • Após, unte uma assadeira com óleo de coco, faça bolinha com a massa, coloque na assadeira e dê um leve achatada com as mãos.
  • Leve ao forno pré aquecido a 180 graus por aproximadamente 15 minutos, ou até dourar.

Bom apetite!

(Receita e Imagem original by Tati Fusco)

Requisitos para comprar um azeite de boa qualidade

Requisitos para comprar um azeite de boa qualidade

1- Nome. O bom azeite é o  EXTRA-VIRGEM. Há no mercado outros tipos de azeite (azeite virgem, ou o “azeite de oliva”, que não possuem boa qualidade. Assim sendo, saiba as diferenças entre eles:

  • Azeite de oliva extra-virgem:  É o melhor azeite de todos. Ele vem da primeira prensagem das azeitonas, contém acidez de no máximo 0,8% (o ideal mesmo, é que a acidez seja abaixo de 0,5%).  Além do ótimo valor nutricional , o azeite extra-virgem com baixa acidez e prensado a frio tem um sabor e aroma bem melhores que os demais.
  • Azeite virgem: É um azeite com teor de acidez mais elevado (1-4%) do que o azeite extra virgem, por isso retém somente alguns dos seus aromas, sabores e propriedades naturais. Este tipo de azeite, contêm maior quantidade e ácidos graxos livres do que monoinsaturados, tornado-o um azeite de baixa qualidade nutricional.
  • Azeite de oliva: Esse é o óleo estocado em grandes quantidades nas prateleiras dos supermercados. É um óleo comum e de baixa qualidade (como o de soja, por exemplo) misturado a uma grande quantidade de  azeite virgem, mais uma pequena quantidade do azeite refinado. Normalmente estes tipos de azeite tem um preço mais acessível, mas não são as melhores opções, definitivamente.

2- Embalagem. O ideal é que o azeite venha em garrafa de vidro ou cerâmica de cor escura, para evitar a oxidação e para evitar contaminação por substâncias químicas (o que acontece com as latas).  Sempre armazene o azeite longe da luz solar e calor, para evitar que ele se deteriore, torne-se rançoso e de baixa qualidade nutricional.

3- Acidez. Os bons azeites contêm acidez igual ou menor a 0,5%. Esta informação deve vir no rótulo, obrigatoriamente. O grau de acidez indica a quantidade de ácidos graxos livres e ácidos graxos monoinsaturados do azeite. qanto mais ácidos graxos monoinsaturados, melhor a qualidade do azeite.

4- Coloração. Os bons azeites tem uma coloração mais escura, um amarelo-esverdeado-escuro. Quanto mais claro, pior é a qualidade do azeite. Obs. A observação da cor somente não é garantia da qualidade do seu azeite, o ideal é que você verifique todos os outros requisitos para ter certeza da qualidade do produto que está comprando.

5-  Validade. Não adianta cumprir todos os requisitos e se esquecer de olhar a validade do produto na embalagem. Compre sempre num prazo de validade que esteja dentro do tempo que vc vá consumir!

 

Bolo de banana de Microondas

Bolo de banana de Microondas

Ingredientes:

-1 banana amassada com garfo

-1 ovo inteiro ou 2 claras (passe o ovo numa peneira para retirar a película a gema, assim não fica com aquele cheiro forte de ovo!)

-2 colheres de sopa de aveia (qualquer uma, farelo de aveia, aveia em flocos…a que tiver em casa)

-1 colher de sobremesa de canela em pó

-1 colher de sobremesa de fermento em pó

-3 colheres de sopa de leite desnatado (zero lactose, cao seja intolerante) ou outro leite vegetal (de arroz ou amêndoas ou castanhas) ou água – Obs. com o leite fica mais gostoso e acrescenta um tico de proteínas à receita!

-1 colher de sobremesa de açúcar mascavo ou demerara ou adoçante culinário

Modo de Preparo:

-Bata todos os ingredientes (exceto o fermento) no liquidificador ou mixer ou com a mão mesmo até obter uma massa homogênea. Acrescente o fermento por último, bata mais um pouco.

-Coloque a mistura em um refratário de vidro ou outro que possa ir ao microondas untado com óleo de coco ou azeite extra-virgem e deixe de 2 a 4 minutos (depende da potência de cada microondas, faça o teste!).

-Fure com um garfo e veja o ponto, se o garfo não sujar é porque assou legal e está pronto o seu bolinho de banana!

Bom apetite!  Beijos da nutri! 🙂 #nutrilari 

DSCF4155

 

Coxinha FIT

Coxinha FIT

Você  ama coxinha? Que tal fazê-la de uma forma mais saudável e incrivelmente deliciosa? Se liga na receita:

Ingredientes:
– 1 xícara (chá) e 1/2 de batata doce cozida e amassada
– 4 colheres de sopa de peito de frango cozido e desfiado
– 2 colheres de sopa cheias de goma de tapioca
– 2 colheres de sopa de leite vegetal ou sem lactose  ou
– 1 pitada de sal marinho ou sal rosa do Himalaia
– 1 ovo batido
– Farinha de linhaça (prefiro a dourada, mas pode ser a comum também, ou farinha de chia)
– Coco seco ralado

Modo de fazer:
Em um mixer,  misture a batata doce, o frango desfiado, a tapioca e o leite. Acrescente o sal e bata novamente. Leve à geladeira por 15 minutos. Abra a massa e recheie com o restante do frango. Molde a coxinha, passe no ovo e depois na mistura de farinha de linhaça com coco ralado. Coloque em um tabuleiro e leve ao forno a 180ºC por 15 minutos ou até dourar.

(Adaptado de Receitas da Nanda)

Açúcar Pode Estar Relacionado à Redução de Aprendizado e Memória

O alto consumo de alimentos ricos em açúcar pode atrasar o aprendizado e diminuir a memória, enquanto o consumo de ácidos graxos ômega-3 podem ajudar a compensar esses problemas, diz estudo.

O estudo, publicado no Jornal de Psicologia, sugere que uma dieta composta por muita frutose, deixa o cérebro mais devagar e atrapalha a memória e o aprendizado. Entretanto o estudo também diz que o consumo de ácidos graxos ômega-3 pode neutralizar o efeito.

Fernando Gomez-Pinilla, da Universidade da Califórnia-Los Angeles (UCLA), demonstra no estudo realizado com ratos, que os alimentados com dieta rica em frutose tiveram dificuldades em se lembrar de caminho em um labirinto, e já os que foram alimentados com frutose e ômega-3 aprenderam mais rápido e se lembraram por mais tempo do caminho.

Os ratos alimentados somente com frutose tiveram declínio na atividade sináptica, que é a capacidade das células do sistema nervoso se comunicarem com outras, interrompendo a habilidade dos ratos pensarem claramente e lembrarem do caminho do labirinto, que eles aprenderem 6 semanas antes do teste. O ômega-3 é essencial para a atividade sináptica, desse modo os ratos alimentados com esse ácido-graxo foram melhores no teste.

A frutose encontrada em sua forma natural, encontrada nas frutas, não preocupa os pesquisadores. O que pode causar os distúrbios é o excesso de frutose, que pode ser encontrados em xaropes de milho e adoçantes, que são vendidos em sua forma simples e amplamente utilizados pela indústria na produção de refrigerantes e em condimentos.

O estudo foi classificado como uma novidade pelo pesquisador, pois a frutose ainda não tinha sido relacionada com danos ao sistema nervoso.

Fonte:

Artigo: Metabolic syndrome in the brain: deficiency in omega-3 fatty acid exacerbates dysfunctions in insulin receptor signalling and cognition. Revista: The Journal of Physiology  (2012).

Acucar droga

Glutationa: a mãe dos antioxidantes

Todos ouvimos falar de antioxidantes, e de seu papel em proteger o corpo contra a degradação e envelhecimento. Vários alimentos, ervas e substâncias são apontadas como excelentes auxiliares do corpo nessa tarefa. Entretanto, poucos conhecem o fato de que o principal antioxidante é, na verdade, uma molécula produzida alquimicamente pelo próprio organismo dentro do fígado.

Trata-se da Glutationa, extensivamente pesquisada (porém desconhecida para a maioria) e conhecida como “a mãe de todos os antioxidantes”. Um “segredo” importante para quem se interessa em prevenir câncer, doenças do coração, envelhecimento, desordens neurológicas e muito mais. Um poderoso agente desintoxicante, que fortalece a imunidade, a Glutationa é crucial para uma vida saudável. Ainda que o corpo fabrique a própria glutationa, ele requer matéria prima adequada. E escolhas pouco sensatas como comida de baixa qualidade, poluição, ambientes tóxicos, stress, infecções e radiação taxam o corpo de seu estoque dessa preciosa substância.

Mas afinal, o que é Glutationa? Glutationa é uma molécula simples produzida naturalmente no corpo o tempo todo. É uma combinação de três aminoácidos – cisteína, glicina e glutamina. Em sua composição existem grupos químicos de enxofre que trabalham coletando no corpo elementos nocivos, como radicais livres e toxinas como mercúrio e metais pesados com o objetivo de eliminá-los. Ou seja: são agentes despoluentes.

Como posso conseguir glutationa? O corpo a sintetiza, mas muitas vezes não na quantidade suficiente para dar conta do ambiente estressante moderno. Sendo assim é preciso caprichar na nutrição e nos complementos que facilitam a produção da mesma para facilitar ao corpo a tarefa de produzir este importante elemento em abundância.

A principal matéria-prima (alimento)  estimula a produção da Glutationa no corpo é a Proteína do Soro do Leite não desnaturada (Whey Protein) , ou seja, extraída a frio. A proteína fortalece a imunidade justamente por amplificar a produção de glutationa, razão pela qual é um suplemento anti-envelhecimento, desintoxicante e que previne o câncer e turbina as defesas do organismo. Nenhuma dieta “detox” é boa o suficiente sem um bom acréscimo de proteína de alto valor biológico. Para os vegans (que não consomem nada de origem animal), a sugestão é utilizar uma proteína vegetal de alto padrão, como a proteína de arroz, grão de bico ou de ervilha.

Segue uma lista de alimentos naturais ricos em precursores de Glutationa:

  • Brócolis
  • Couve de Bruxelas
  • Repolho
  • Couve-flor
  • Abacate
  • Pêssegos
  • Melancia
  • Canela
  • Cardamomo
  • Cúrcuma
  • Tomates
  • Ervilhas
  • Alho
  • Cebola
  • Pimenta Vermelha

A prática regular de atividades físicas de qualidade também estimula a produção de glutationa, assim como o enema de café (implante retal de café orgânico). Este último, em especial, é fabuloso para esta finalidade: aumenta em até 600% a produção de glutationa pelo organismo. A  Glutationa protege contra doenças crônicas, uma vez que recicla antioxidantes, como a vitamina C, o ácido lipóico, os flavonóides do açaí e vários outros. A glutationa faz com que estes sejam utilizados adequadamente, no ciclo de inativação das toxinas e dos radicais livres degenerativos. As toxinas são desativadas pela glutationa, em seguida aderem-se a esta molécula e na sequência são conduzidas através da bile para as fezes, para serem eliminadas. Manter o corpo livre de toxinas e outros elementos nocivos é essencial no intuito de prevenir doenças crônicas diversas.

Algumas dicas para aumentar os níveis de Glutationa:

  • -Consuma alimentos ricos em enxofre: Os principais são alho, cebolas e os vegetais crucíferos (brócolis, couve, repolho, couve-flor), além de agrião e rúcula.
  • -Experimente Proteína Bioativa: Laticínios comuns tendem a oferecer dificuldades para o organismo, mas existem algumas exceções – e sem dúvida uma proteína whey não-desnaturada, extraída a frio, pura, livre de adoçantes ou sintéticos, sem resíduos químicos ou de pesticidas é a principal exceção.
  • -Atividade física frequente: fortalece a imunidade, torna mais eficaz o processo de desintoxicação e fortalece a atividade antioxidante do corpo. A sugestão é começar devagar e ter ao menos 20 minutos de atividade aeróbica intensa cerca de 3 vezes na semana. Treinar com pesos por 20 minutos 3 vezes por semana é também de grande auxílio.
  • -Suplementos: infelizmente não é possível tomar cápsulas de glutationa – a mesma seria destruída no processo digestivo. De fato, o trabalho é realmente fornecer a matéria prima e estimular a produção interna. Contudo, existem alguns suplementos indicados para auxiliar o corpo ainda mais nesse propósito: Vitamina B12 Metil (evite a do tipo cianocobalamina, muito pouco eficaz), ácido alfa-lipóico, vitaminas C e E, Selênio e Silimarina, um extrato herbal.

(by Dr. Mark Thyman)

Fontes:

What is Glutathione and How Do I Get More of It?

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2010/04/10/can-you-use-food-to-increase-glutathione-instead-of-supplements.aspx

http://www.webmd.com/vitamins-supplements/ingredientmono-717-GLUTATHIONE.aspx activeIngredientId=717&activeIngredientName=GLUTATHI

    • natural-glutathione-supplement-triotein-whey-protein

    • glutamato-glutationa

Benefícios da Canela à saúde

A canela é muito usada na culinária de vários países. O consumo regular desta especiaria pode trazer diversos benefícios à saúde. Tal fato é devido à rica composição nutricional da canela, que consiste em fibras, ferro, cálcio, manganês, potássio, vitaminas A, B1, B2, B3 e C, traços de proteínas e antioxidantes.

Principais propriedades medicinais da canela:

-Controla a glicose sanguínea: O consumo da canela reduz o índice glicêmico dos alimentos por conter fibras.
-Diminui a absorção de gorduras e ajuda no controle do colesterol e triglicérides, devido à melhora da sensibilidade dos tecidos a insulina e pela presença de fibras e antioxidantes
– Melhora a digestão, diminuindo gases e sensação de “empasinamento”
-Possui efeito anticoagulante, ou seja, melhora a circulação sanguínea
-Tem ação anti-inflamatória – vale lembrar que a obesidade é uma inflamação!
-Aumenta a saciedade devido a presença de fibras
-Auxilia na prevenção do câncer (reduz a proliferação de células cancerosas, sobretudo da leucemia e linfoma)
-Auxilia na prevenção de doenças degenerativas como Alzheimer (devido a presença de antioxidantes que neutralizam os radicais livres)
-Aumenta a imunidade e auxilia no combate a infecções diversas (principalmente respiratórias), devido a sua ação antibacteriana e expectorante
-Alivia dores causadas por artrite, artrose e reumatismo, devido a sua ação anti-inflamatória
-Auxilia no tratamento do mau hálito, acne, doenças de pele e irregularidades menstruais

Obs. Gestantes, hipertensos, pacientes com doenças hepáticas e/ou renais ou aqueles que façam uso de anticoagulantes orais devem evitar o consumo de canela.

Riscos do consumo em excesso

Em pessoas saudáveis o consumo em excesso da canela, além dos seis gramas máximos recomendados, pode levar a intoxicação, irritação das mucosas gástrica e intestinal, alteração dos batimentos cardíacos, úlcera e alergias.canela-1

Arroz para todos os gostos!

Esse grão é a base das refeições de praticamente metade da população mundial. Presente em tantas culturas gastronômicas, este ingrediente, pra lá de versátil, deixou de ser acompanhamento para tornar-se protagonista de muitos pratos. Mas será que arroz é tudo igual? Confira as características dos vários tipos de arroz:

Agulhinha: este é o arroz mais consumido no Brasil. É obtido a partir da retirada da casca do grão integral. Apesar de assimilar bem o sabor dos ingredientes adicionados ao prato, o arroz não assume consistência cremosa. No dia-a-dia, é usado em função da rapidez no cozimento, textura solta e paladar agradável.

Basmati: arroz aromático de grão longo, geralmente usado em pratos indianos. É tido como um grão com qualidade superior. Considerado leve, acompanha pratos que levam condimentos como curry ou pilaf.

Jasmim: muito similar ao basmati – porém com menos goma, o arroz jasmim também é chamado de ‘thai’. De origem tailandesa, é conhecido como um dos arrozes mais agradáveis e aromáticos do mundo. O seu sabor único faz com que seja um prazer para o paladar.

Carnaroli: esta espécie, rica em amido, libera durante seu cozimento uma substância que deixa os pratos com consistência bastante cremosa. Este arroz é indicado principalmente para compor risotos. As características do grão permitem absorver o sabor dos vários ingredientes adicionados ao prato.

Arbório: assim como o carnaroli, o arroz arbório possui uma boa quantidade de amido e deixa os pratos mais cremosos, sendo bastante usado em risotos, principalmente na culinária italiana.

Vialone nano: este tipo de arroz também faz parte dos arrozes de origem italiana. O grão polido fica cremoso após o cozimento, mas, ainda assim, mantém a forma arredondada. Assim como o carnarolli e o arbório, este arroz é indicado para o preparo de risotos.

Preto ou Negro: o paladar do brasileiro, adepto ao consumo de arroz branco ainda não está muito acostumado com arrozes de outras cores. O preto tem grão escuro, curto e arredondado, textura firme, sabor exótico e aroma diferenciado. Geralmente, está presente em receitas elaboradas, como risotos, peixes de sabor acentuado, frutos do mar e carnes de caça. O arroz preto possui proteínas e fibras. É rico em compostos antioxidantes, vitaminas E do complexo B.

Selvagem: este, apesar do nome, não é bem um arroz, mas sim uma gramínea aquática típica dos Estados Unidos e Canadá. Os grãos são escuros e se destacam pelo comprimento. Utilizado em pratos sofisticados, atrai pela sua aparência, sabor e aroma marcante, que lembram o das ervas.

Cateto: este tipo de arroz também é conhecido como ‘japonês’. Com grãos curtos, curvados e um pouco transparentes, tem grande quantidade de amido e, após o preparo, tende a ficar mais macio e cremoso, se comparado com o arroz polido.

Vermelho: o arroz vermelho foi cultivado inicialmente na China e trazido ao Brasil pelos portugueses. Por ser parcialmente polido, ele retém maior número de nutrientes, a sua composição se destaca pelo alto teor de ferro e zinco. Tem sabor levemente defumado e é indicado para fazer bolinhos, saladas e para acompanhar carnes brancas, como peixe e frango.

Trinca: de grão redondo, este arroz é ideal para pudins e doces. Os grãos têm bastante amido e, por isso, aglomeram-se durante o cozimento.

Bomba: o grão é curto e redondo e absorve parte da água durante o cozimento. Este arroz é um dos mais usados na paella, prato típico da Espanha.

Parboilizado: este tipo de arroz possui elevado valor nutricional já que sofre um processo de cozimento dentro da casca, preservando os nutrientes e as fibras.

Integral: com a retirada apenas da casca, o arroz integral preserva a película e o gérmen, onde se concentram as fibras, vitaminas e minerais. As fibras ajudam no bom funcionamento do intestino e no controle do colesterol, além de aumentarem a sensação de saciedade.

Fonte: Culinária Terra11arroztipos